Entrevista Com a Banda Sioux 66

A entrevista agora é com a banda Sioux 66,  que é formada por Igor Godoi (vocal), Bento Mello (guitarra base), Mika (guitarra solo) Fabio Bonnies (baixo) e Gabriel Haddad em São Paulo, em 2011.

Igor foi quem conversou conosco em nome da Sioux 66, sobre como começaram, Sweden Festival, Monsters Of Rock, Base Rock, histórias de estrada e muito mais na entrevista EXCLUSIVA que vocês podem ler abaixo:

Quando e como vocês começaram?

 Começamos em fevereiro de 2011 com o objetivo de formar um time e tocar rock n roll. Entre algumas idas e vindas que tivemos no começo, conseguimos chegar na formação que estamos até hoje.
De onde veio o nome da banda?

Foi uma ideia do Fábio. Estávamos em busca de um bom nome, e com dificuldade, como toda banda (risos) ele apresentou toda a ideia do nome Sioux e suas origens, achamos um nome forte, e assim ficou.
 
Como foi participar de evento como o Sweden Rock Festival e da pré-seleção para o Monsters Of Rock?

Não chegamos a participar de fato do Sweden Rock Festival, mas a Sioux foi a única banda da América (inteira) que chegou entre os 20 finalistas. No fim, ficamos na 5a posição, segundo a contagem dos votos. O que foi muito bom para nós, afinal estávamos bem no início.
 
Com o Monsters, um ano depois, infelizmente também não conseguimos, ficamos em segundo lugar, perdendo para uma banda chamada Eletric Age, hoje chamada Desert Dance, que são muito amigos inclusive! Os desgraçados fizeram um puta corre maluco e conseguiram ultrapassar a gente nos votos! (risos)

Vocês estão na Base Rock desde o começo certo? Para vocês qual a importância dela para o sucesso da banda e para a ampliação do som autoral?

Sim. O intuito da Base Rock não se resume apenas ao sucesso, mas sim na união de bandas que estão na mesma correria por SP e pelo Brasil. Cada vez mais estamos conseguindo trazer, por exemplo, bandas de outros estados para fazer shows legais por aqui e vice-versa. Ano passado a Sioux fez uma turnê de 5 dias passando por 3 estados do Sul com o Mattilha e uma banda local, o Maquinários, que anteriormente tocou conosco em um dos eventos da Base Rock em SP. Horas e horas de van e muito rock! Crazy. (risos)
 
A Sioux 66 e a Mattilha já fizeram diversos shows juntos por São Paulo e recentemente fizeram uma turnê no Sul do Brasil, como foi fazer esta turnê com eles e para diversos fãs que ainda não tinham visto vocês ao vivo? Tem alguma história interessante que gostaria de contar sobre essa tour?

Como acabei contando na pergunta anterior, essa com certeza foi uma das viagens e turnês mais longas que já fizemos. Foi incrível poder tocar para públicos que jamais tínhamos tocado antes. A recepção foi a melhor possível, tanto com pessoas que já nos conheciam pela internet, etc, quanto para novos fãs que fizemos ao longo da tour.
 
Uma história interessante… Em Chapecó, SC, durante nosso primeiro show da turnê, a polícia invadiu o local do show alegando que o som estava muito alto e que o dono do local deveria tomar uma providência. O cara ficou maluco fazendo gestos de “para, para, para por favor!” enquanto tocávamos em alto e bom som uma das músicas do set list. Disse ao público que o show teria que encerrar, causando uma certa raiva na galera. Disse que mais uma música seria tocada, agradecemos a presença dos policias e tocamos a saideira, interrompendo o show no meio. O mais engraçado é que mais de 5 viaturas foram deslocadas para o local. Me senti como um personagem de NARCOS. (risos)

Vocês já abriram shows de artistas como Gilby Clarke (Ex-Guns’N Roses), O Rappa, Ultraje a Rigor, Ira! e Crucified Barbara, conte qual a sensação de estar no mesmo palco que esses artistas.

A sensação de poder estar no mesmo palco que artistas já consagrados é sempre muito gratificante. Foram pequenos passos que conseguimos dar com nossas próprias pernas, e cada show foi especial da sua forma. O maior de todos esses foi quando abrimos para O Rappa em Americana/SP, tocando pra um público de 8 mil pessoas. O maior até então.
Quão importante é a internet para a divulgação de um trabalho independente? Ela também atrapalha?

Acho o lance da internet muito legal para divulgação do trampo, pela facilidade de poder encontrar informações, datas, músicas, etc… O que atrapalha é que como todo mundo pode falar o que quiser, tem muita gente que só fala merda.
 
Vocês conseguem fazer as músicas em português parecerem estar soando em inglês, isso se deve ao fato do estilo Hard Rock ou é algo feito propositalmente na hora da criação das músicas?

Meu processo de composição, no caso das letras foi algo que desenvolvi naturalmente. Praticamente peguei o jeito da coisa um pouco antes de gravar o disco. Já tinha escrito algumas coisas antes, como por exemplo “Labirinto”, “Outro Lado” , “Jack”, músicas que estavam no nosso EP de estréia. Mas ainda sim não tinha aquela “soltura” mental pra conseguir me expressar. 
 
A dificuldade do português pra fazer qualquer tipo de rock, é que você tem que quebrar a cabeça pra achar as palavras certas para que o som não soe “cafona”, entende? Não basta ter uma ideia da mensagem que você quer passar, você tem que literalmente ser foda pra achar um jeito pra aquilo soar legal. E com certeza o som que a banda me passa ajuda muito na hora da criação.
 
Uma Só Vez, faixa do primeiro disco, conta com participação do Andreas Kisser,como foi ter gravado com ele e como que nasceu essa parceria entre vocês?

O Andreas Kisser já era muito amigo da família do Bento. Calhou de entrarmos pra gravar o disco no extinto Norcal Studios, e na ocasião o Andreas estava gravando com o “De La Tierra”. Pra nós era surreal esbarrar com os caras nos dias de gravação e um dia o Bento convidou ele pra dar uma subidinha no nosso estúdio e ouvir uma das faixas. Ele gostou e gravou em 5 minutos, risos. O cara é um monstro e uma pessoa incrível, com certeza uma das pessoas mais legais que eu conheço, e sou muito grato por poder ter ele como nosso amigo.
 

O primeiro disco (Diante do Inferno) foi lançado em 2013 e já foram tocadas algumas músicas inéditas nos shows da banda, já tem alguma previsão para um próximo lançamento?

 

 Sim! Todas as musicas inéditas já foram feitas, estão praticamente prontas. Tivemos a oportunidade de reproduzir algumas delas nos últimos shows, o que é algo que julgamos importante no processo de composição, pois traz um baita entrosamento como um todo.  A previsão é lançar ainda esse semestre de 2016.
 
Quais os planos de vocês para 2016?

Continuar fazendo rock n roll. Lançar um grande álbum de inéditas, e com isso ir trilhando nosso caminho em busca de melhores shows, parcerias e oportunidades! Resumindo, queremos botar pra foder! (risos)

Qual recado gostaria de dar para os fãs da banda e leitores do site?

Queria agradecer primeiramente ao Elio que vem acompanhando o trabalho da Sioux há um tempão, sempre fazendo perguntas legais! E agradecer ao pessoal que nos apoia e acompanha, sem vocês a parada não teria o sentido nem o gosto que tem! Valeu, muito rock e paz pra geral. Muito obrigado!



Anterior «
Próximo »

Deixe seu comentário

Papo Rock! – Mais Recentes

Arquivos